quinta-feira, 14 de abril de 2016

O mito da liberdade feminina


Somos livres.
Sim, mulheres podem ser o que quiserem.
Não é esse o lema de 2016?
Vemos essa mensagem em propagandas (nossa, que coincidência não é #ironia), em páginas feministas, no facebook inteiro sendo divulgadas a todo instante.




Podemos escolher o que quisermos.
Ser mãe, não ser mãe.... trabalhar em casa, não trabalhar.
Mas será mesmo que somos livres?
Eu digo que a prisão moderna da mulher hoje é outra.
Aliás, são várias.
Dentre elas, falo da perfeição.
Sim.  Somos condicionadas a correr atrás da perfeição.
O tempo inteiro, a vida inteira.
Essa cobrança nem sempre é aparente, mas ela aparece quando dizemos pras nossas meninas coisas como:
“Senta direito, isso não é jeito de menina sentar”
(Mas qual é o jeito de menina sentar?)
“Ajeita esse cabelo!’
“Nossa, você vai sair com essa roupa?”
(Qual o problema?)
“Não arranjou namorado ainda? Nossa, vai ficar pra titia”
(De novo, qual o problema?)
“Não arranjou marido ainda?”
“Vai casar já? Mas tá nova!”
“Não quer ter filho? Até parece, você está confusa!”
“4 filhos? Você está louca? É muito!”
“Vai trabalhar o dia inteiro? E os filhos? Ah, não tem? Nossa, mas você é egoísta ein”
(Sou sim. Egoísta. Ainda bem né. Imagina viver pros outros que tormento.)

Alisa. Encolhe. Estica.
Baixa demais, salto.
Alta demais... tudo bem, é altura de modelo.
Mas se for demais, ai não... parece girafa.
Já repararam que em todo anúncio, as mulheres sempre estão sorrindo e felizes?
Cabelo liso? Ai sim.
Alisou? Vixi, você é fútil.
Cabelo cacheado? Por que não alisou, é mais bonito assim.
Magra demais não pode... coloca um silicone ai, homem gosta de carne.
Gorda? Não, credo, sua saúde...emagrece ai. Nenhum homem vai te querer.
Faz lipo. Tira peito. Bota peito.
Pinta o cabelo.

A mensagem é que temos que nos importar o tempo inteiro com dizem e pensam porque “não pode ficar falada, imagina”. Tem que agradar os outros.
Todo mundo liga pra vida das mulheres, quando é pra falar mal....
Depois perguntam por que mulheres sofrem tanto de ansiedade e depressão.
Mas é claro, somos tolhidas desde sempre.
Se não pelos pais, pela escola, pelos professores, pela sociedade.
Mulheres são ensinadas a se adequarem as expectativas dos outros.
"Seja sexy, o tempo inteiro" é a mensagem.
Não podemos demais. Podemos um pouco. Desde que seja o que os outros queiram também.
Não queira demais, mas queira algo.
Mas queira o algo que te dizem que você pode querer.
Tenha consideração pelos outros.
Não fale assim, isso é ser grosseira, mesmo que você só estivesse sendo sincera.
Não fale o que pensa, isso é falta de educação.
Nossa, que grossa você ein!
Parece macho.
As mensagens são confusas demais... e como na maioria das vezes não tomamos consciência dessa máquina de produzir loucura moderna, não notamos como isso nos afeta. E acreditem, afeta!
Mulheres geralmente são mais recolhidas, tem mais medo de se expor (e com razão!) e se importam via de regra muito mais com a opinião alheia. Mas é claro! Somos domínio público desde nascidas. E quando fugimos disso... ihhh, ai é pedra pra todo lado.
“Aquela piriguete, aquela fácil... aquela mulher nojenta.”
Parece que só o fato de ser mulher já dá direito ao mundo direito de dizer e fazer o que querem com a gente.
A saída não é fácil, mas é possível.
Conscientizar-se que essas forças nos atravessam o tempo inteiro. Perceber quando aquela vozinha interna aparece dizendo “você não pode” e parar pra pensar “por que não posso?” e “será mesmo?”
Não é fácil, mas aos poucos é possível ir se libertando dessas amarras para poder viver de fato uma vida plena de sua escolha.


4 comentários:

  1. Olá mais uma vez! rsrs
    Estava eu esses dias lendo, não me lembro onde porque leio vários livros ao mesmo tempo, mas creio ter sido o livro de história, e certa parte dizia que na antiguidade a mulher era reverenciada por ter o poder de dar vida e amamentar. Até seu órgão sexual era reverenciado tendo esculturas espalhadas por muitos lugares para adoração. Mas depois que o homem percebeu que fazia parte e que dele vinha a fecundação foi daí que o machismo começou a imperar. E o pior de tudo é que a maioria não se dá conta do que você mostra no texto, porque somos ensinadas desde o nascimento a pensar exatamente da forma que não deveríamos. Pobre daquelas que ainda não se deram conta da realidade que vivem. Alguns dizem que a ignorância traz felicidade, mas eu espero que a verdade ainda seja vista por todas, pra que assim possamos fazer uma verdade muito melhor. Abraços!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Érica!! Obrigada por voltar e dar sua opinião ;D
      1o de tudo. Eu também faço isso de ler vários livros ao mesmo tempo. Não aguento ficar em um só
      E eu já li algo parecido também e achei extremamente interessante. Por um acaso não foi um livro da Regina Navarro chamado Amor? São vários volumes. Ele fala bem sobre a noção do amor romântico e como surgiu, a relação da monogamia com a propriedade privada. É bem interessante. Ainda não tive tempo pra ler mas tá na lista.
      Eu concordo. Eu não acho que ignorância é bênção mesmo. Escolha só existe quando ela é consciente. Se escolhem por você eu não acho que isso é escolha de verdade.

      Obrigada pelo seu ponto de vista!
      Um abraço

      Excluir
  2. Gosto muito desse espaço aqui na internet, por isso vivo voltando rsrs, é sempre um prazer ler seus textos!
    Infelizmente ainda não li nenhum livro da Regina, a acompanho pela tv no programa Amor e Sexo, e pela coluna dela aqui num jornal do RJ. O livro que estava lendo era de história da humanidade mesmo, porque fui atrás da informação nos meus livros e achei. E sobre a ignorância, isso é verdade. Depois que comecei a perceber o mundo a minha volta e estudar um pouco mais sobre vários assuntos da sociedade confesso que me senti até meio sem esperanças, mas lá no fundo ainda existe aquela pequena chama de que um dia as coisas mudarão.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ebaaa.Nossa, fico super feliz que você goste dos meus textos =DDD. Dá uma alegria no coração o/
      Essa semana foi muito corrida pra mim e por isso não teve artigo mas quinta agora teremos =DDDDD
      Eu acho a Regina muito interessante embora discorde de alguns pontos dela.
      Quanto a desesperança, isso pode ocorrer mesmo Érica.
      Quanto mais conscientes nos tornamos do mundo e das coisas que nos afetam, pode parecer mesmo que não tem jeito... Eu acredito que neste ponto podemos escolher como vamos interpretar isso.
      O meu foco é sempre o que eu posso fazer pra melhorar a situação ou viver melhor sabendo que o mundo está bem complicado.
      Acho que focar no positivo também ajuda bastante!
      E também manter essa chama viva da esperança.
      Essas são atitudes que eu considero super saudáveis. =D

      Um abraçao!

      Excluir

Popular

Tecnologia do Blogger.