quinta-feira, 5 de maio de 2016

A tal da crise


É crise pra lá, é crise pra cá... crise 24h por dia.
Um tal de notícia ruim dia sim e outro também.
Há um presságio de histeria coletiva aparecendo no facebook que já migrou pras nossas relações. As pessoas gritam: desastre, desastre! Como se estivessem a bordo do Titanic lentamente afundando e estivessem (com razão) entrando em pânico pois não existem botes pra todos.
Isso é uma forma de olhar pra situação e uma que não deixa alternativa. Nesse cenário estamos invariavelmente afundando.
Onde quer que eu vá vejo discussão sobre política. Mas não é aquela discussão saudável onde cada um expõe sua opinião e depois tomam uma cerveja juntos. Política virou religião, ou futebol.
Com isso, vejo uma hostilidade nas pessoas que não via antes.
Muita gente dizendo que o país está indo de mal a pior, que não vai melhorar nunca só vai piorar. Alguns ainda tentam e organizam, colocam sua energia pra tentar gerar mudanças, outros só reclamam.
Não pretendo com tudo isso negar a situação político/econômica do País. Só digo: sim, já sabemos. A crise, tudo de ruim... já sabemos. Mas ficar gritando isso 24h ajuda? Muda alguma coisa?
Muda sim, provavelmente vai acabar te deixando deprimido.
Em meio a tudo isso pergunto então: você vai se deixar afundar junto com o país?
Claro que não é o que você nem ninguém quer, disso eu tenha certeza, mas talvez você esteja se permitindo ir pro brejo e nem percebeu.
Repare no seu comportamento....
Se você passa boa parte do dia online no facebook....
Assiste televisão todo dia, principalmente noticiário....
Se você tece comentários negativos e pessimistas onde quer que vá....
É provável que você esteja sendo bombardeado de mensagens negativas e isso está te afetando e a todos a seu redor. O fato é que focar na negatividade não ajuda.
Sabe o que também não ajuda? Fazer textão no facebook reclamando. Na verdade, provavelmente, só cansa os outros.
Como não se deixar afundar em meio a esse panorama  tenebroso então?
Primeiro de tudo, foco.
Foco no que você pode fazer pra preservar sua saúde emocional, mental e financeira. Afinal, você só vai poder se ajudar e ajudar os outros se estiver bem.
Então desligue a TV, desliga esse noticiário, sai um pouco do facebook e vamos interagir com o mundo lá fora de maneira mais positiva.
Fácil falar não é?
Na verdade também é fácil de ser posto em prática.
Comece com seus hábitos. O nosso cérebro precisa de nutrientes, precisa de descanso, precisa de lazer. E com um pouco de criatividade, mesmo sem dinheiro você pode conseguir nem que seja 10min por dia pra relaxar, fazendo algo que gosta.
Na maior parte do tempo dizemos... não tenho tempo! Não tenho dinheiro, não tenho.....

Precisa de dinheiro pra brincar com seus filhos? Pra chamar os amigos pra colocar a conversa em dia?
Mas temos tempo pra TV, pra facebook... pra reclamar. É uma questão de onde melhor investir sua energia.
Você pode escolher entre a reclamação e focar em tudo que tem de ruim no país ou no que você pode fazer pra melhorar a sua vida.


E ai, o que você escolhe, vai afundar ou resistir?

4 comentários:

  1. É muito fácil ficar parado e reclamar, creio que o que as pessoas têm é preguiça ou então aquela sensação de que se for otimista as coisas vão continuar iguais, essa sensação vem do fato de não se tentar o suficiente.
    Essa semana eu treinei o otimismo na minha vida, e com isso consegui um desempenho melhor na conquista da minha permissão pra dirigir. A sociedade deveria começar a praticar o otimismo e a esperança, assim como o Cândido de Voltaire, ou então o mais atual, o Candinho da novela rsrs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. érica, obrigada por voltar pra comentar =D
      olá de novo.
      Eu vejo que na maioria das vezes as pessoas estão viciadas em reclamar e nem notam.
      Elas realmente "não fazem por mal" ou pelo menos não notam como isso tem um efeito ruim sobre elas mesmas e os outros. Isso é muito complicado.
      Dá pra ser otimista e querer melhorar ou ser otimista e saber quando as coisas são ruins e algo precisa ser feito. Eu não acredito nesse otimismo cego que faz a pessoa fingir que está tudo ótimo quando não está. Acho que as pessoas confundem os dois =D
      eu acho que otimismo ajuda demais da conta e fico feliz que você conseguiu colocar isso na sua vida!
      sobre a novela... nossa, eu realmente estou por fora, eu não assisto TV.
      Qual é?

      Excluir
    2. É verdade, não tinha pensado nisso do "não fazer por mal", talvez isso passe de pessoa para pessoa sem a gente perceber. Eu sou de uma família de gente que reclama e que discute todos os dias, e acabei pegando esse hábito com o tempo e por estresse que eles me causavam com suas reclamações. Mas me propus a mudar porque vi que não estava sendo bom principalmente pra mim, isso atrapalha demais mesmo que a gente ache que está "desabafando". E sobre a novela, eu também não assisto mas como é famosa a gente acaba sabendo do que se trata, é "Êta mundo bom!". E eu sempre volto mesmo kkkkk. Beijos!

      Excluir
  2. Eu fico super feliz que você volte e comente! =D
    eu gosto de saber o que as pessoas acham e suas opiniões são sempre super positivas e pertinentes!
    e como todo bom psicólogo, eu adoro conversar hahahaha
    apesar do que dizem sobre nós...
    Eu acho que você acertou em cheio Érica.
    Muitas pessoas 'herdam' esse hábito da família ou do grupo social, as vezes é até cultura do local onde vivem.
    E nisso a pessoa reproduz isso e nem nota! Mas que bom que você reparou que isso estava te afetando negativamente porque afeta mesmo.
    O foco no negativo (que é o que a reclamação faz) a longo prazo pode até desencadear uma depressão.
    Eu digo o seguinte.... se você fala uma vez é desabafo, se você fala mais de uma vez já é reclamação.
    Falar uma vez eu acho válido, até pra constatar a situação e pensar a respeito dela. Mas depois disso vira um muro das lamentações eterno. Entende a diferença?
    O "alívio" acontece na primeira vez, depois disso é só ladeira baixo das emoções.
    Beijos ;D

    ResponderExcluir

Popular

Tecnologia do Blogger.